Porque a Hepatite A é uma IST que devemos ficar de olho?

16
views
Syringe with hepatitis A virus (HAV) vaccine for injection

Hepatite A é uma infecção causada por um vírus, onde a contaminação ocorre por via fecal-oral (cunete, viu lindas?), classicamente frequente em países em que a situação sanitária é precária e dejetos entram em contato com alimentos sem que estes sejam higienizados corretamente antes do consumo ou em que há contato com solo contaminado que acaba por servir de fonte de disseminação e infecção para pessoas, principalmente crianças.

A doença Hepatite A causa uma inflamação no fígado, levando a manifestações como febre, dor na região da barriga, diarreia, cansaço, pele e escleras amarelas, indisposição, aumento de marcadores de inflamação do fígado nos casos leves, podendo levar a casos graves de falência grave do fígado, levando a distúrbios da coagulação e grande inflamação no corpo, podendo levar à óbito.

Muitos dos casos não passam de casos leves, às vezes assintomáticos, porém não há um tratamento específico para a Hepatite A, apenas tratamento dos sintomas e disfunções causadas por ela.

E porque estamos falando dessa doença aqui quando falamos de saúde LGBTQIA+? Em 2017, no município de São Paulo, tivemos um surto de Hepatite A predominantemente entre homens gays e bissexuais que realizavam a prática de sexo oral-anal (cunete, beijo grego ou linguinha, para as que não entenderam), causando muitas hospitalizações.

A realização do cunete é prática muito mais frequente dentro da comunidade LGBTQIA+ do que entre o sexo entre heterossexuais, e por isso devemos ficar de olho nos métodos de prevenção para a aquisição da doença para uma prática sexual cada vez mais segura.

E dentro disso, a principal prevenção consiste na vacinação contra a Hepatite A, distribuída gratuitamente pelo SUS na cidade de São Paulo para grupos com maior vulnerabilidade de aquisição da doença, sendo esses Gays, Travestis, Pessoas trans e homens que fazem sexo com homens. A vacina consiste em duas doses, uma realizada no primeiro dia e outra após 30 dias, e atua criando imunidade contra o vírus.

Para realizar essa vacinação, você deve ir à uma unidade básica de saúde ou centro de referência de imunobiológicos especiais (o CRIE) para conversar sobre a necessidade de ser vacinado e como você consegue realizar as duas doses. É válido também lembrar que ir ao serviço de saúde é sempre uma oportunidade para realizar a testagem de outras ISTs, como HIV, Sífilis, Hepatite B e C.

A prevenção é o melhor passo para um sexo seguro, e você não precisa parar de realizar suas práticas ou ficar com medo delas.

Comentários

Felipe Medeiros
Felipe é médico, gay, faz residência de infectologia, vive com seus dois gatos e também é pai de 4 cachorros bem fofos. Se envolveu com saúde LGBT desde a faculdade e desde então se tornou uma poc militante das bem fervorosas.
COMPARTILHAR