“Ainda falta espaço para figuras lésbicas”, defende Heey Cat

553
views

Com mais de 375 mil seguidores no Instagram, Catarina Alexandre, ou simplesmente Heey Cat, é conhecida no circuito de baladas de São Paulo por conta do trabalho como DJ. Dentre outros projetos, antes da pandemia ela tocava no “Baile das Marinheiras”.

+ Heey Cat estreia como produtora musical em parceira com Luana Berti

O reconhecimento pelo bom trabalho nas pick-ups acabou servindo como semente para que ela também se destacasse como criadora de conteúdo. Além do sucesso no Instagram, Heey Cat acumula 198 mil inscritos no YouTube e 86,5 mil seguidores no Twitter.

Em entrevista exclusiva para o Dentro Do Meio, Cat falou sobre como a carreira como DJ se desenvolveu e a fez estrear como produtora, representatividade e diversidade. Confira:

Dentro Do Meio: Além de criadora de conteúdo, há cerca de 3 anos você atua como DJ em casas paulistas. Mas 2020 revirou tudo de cabeça pra baixo. Qual foi o saldo desse ano para sua carreira musical?
Heey Cat: Esse ano foquei principalmente no meu profissional, comecei meu curso de produção e investi mais nisso. Coisas que na correria do dia a dia a gente acaba deixando de lado, então consegui aproveitar esse tempo pra aprender mais.

Dentro Do Meio: Ainda falando sobre música, em outubro você produziu o remix de Volta de Luana Berti. Foi sua estreia nessa vertente da produção, certo? Fale um pouco dessa experiência.
Heey Cat: Sim, foi minha primeira produção, e adorei a experiência, poder colocar um pouquinho da minha essência na música. Teve ainda o clipe! Só o começo de muitas.

Dentro Do Meio: Que artistas brasileiros você gostaria de produzir?
Heey Cat: Adoraria produzir algo com Ftampa, adoro o som dele.

Dentro Do Meio: Você já chegou a dizer em entrevistas que por ser mulher, as vezes precisa fazer 10x mais para ser respeitada como DJ. Acredita que com o avanço de artistas LGBT na música pop as portas têm se aberto mais para mulheres lésbicas em boates?
Heey Cat: Acredito que essa luta é diária, poder ser uma visibilidade de mulher lésbica hoje no meio da música é ajudar abrir caminho pra muitas outras que virão.

Dentro Do Meio: Mesmo no meio LGBT, não é raro que se ouça críticas do tipo “tudo bem ser lésbica, mas não precisa se vestir como homem”. Você recebe muitas críticas por conta do seu estilo?
Heey Cat: Não. Percebo que hoje em dia muitas meninas se inspiram nos meus looks e isso é muito bom. Poder ser quem quiser, e o principal sem se importar com opiniões de fora.

Dentro Do Meio: Quando se fala da comunidade LGBTI, boa parte das mídias e publicidades são voltadas para os meninos. Como você acha que esse problema pode ser driblado?
Heey Cat: Isso é um ponto que sempre levanto. Muito mais comum encontrarmos homens gays ocupando alguns espaços nesses meios. Falta ainda muito a figura da mulher lésbica sim. A forma de driblar isso é tentando fazer com que essas portas se abram.

Dentro Do Meio: Por falar em publicidade, uma pesquisa recente feito pela TODXS e a ONU mulheres mostrou que o “padrão de beleza” ainda é branco, jovem, magro e de cabelos lisos. São algumas características que você tem. Você se considera “padrãozinho”? Como encara comentários sobre sua aparência?
Heey Cat: Sim, reconheço todos os meus privilégios enquanto isso. E o importante são os passos que a gente da a partir disso. No mês do orgulho tive o prazer de abrir o meu espaço no Instagram para diversas pessoas do meio LGBTQIA+, aprender sobre o outro e sair dessa bolha.

Dentro Do Meio: Como criadora de conteúdo, você divide muito da sua vida com os seguidores. Como você equilibra sua vida privada com o que compartilha?
Heey Cat: Tento ser bem transparente em relação aos meus seguidores, porém nem tudo precisa ser mostrado. As vezes eu vivo mais do que posto, e isso é ótimo também.

Dentro Do Meio: Quais seus planos para 2021?
Heey Cat: Voltar para os palcos o mais rápido possível, estou com uma saudade imensa de tocar, de ver a galera curtindo meu som, isso não tem preço.

Comentários

Renan Oliveira
Renan é um jornalista de humor ácido (é bem ruim pela manhã) que acredita que informação é uma das armas mais poderosas contra a LGBTfobia.
COMPARTILHAR