Afinal, o Airbnb proíbe sexo e orgias? Plataforma responde

756
views
Foto: Hotboys

A semana começou com um novo viral: áudios da anfitriã Verônica discutindo com o hospede heterossexual Felipe ganharam as redes sociais depois que ela descobriu que a festa que ele organizou para comemorar o aniversário incluía uma orgia. Na conversa, Verônica diz que Felipe feriu as regras do Airbnb e não demorou para que a dúvida se instalasse nas redes sociais. Afinal, a plataforma proíbe sexo e orgias?

+ Chinês é preso por fazer sexo oral em homem inconsciente

O Dentro Do Meio entrou em contato com o Airbnb (leia na íntegra no final da matéria) e estudou cuidadosamente os Termos e Serviços da plataforma. Não há nada proibindo explicitamente que os hospedes façam sexo durante o período de locação, seja ele a dois ou grupal, no entanto, há alguns por menores que podem impedir a organização de uma orgia.

Desde agosto do ano passado, o Airbnb proíbe a hospedagem de mais de 16 pessoas em um espaço e também a organização de festas. A atitude foi tomada para tentar barrar a pandemia do novo coronavírus. Na prática, o Felipe cumpriu a regra do número de hospedes, mas tanto ele como Verônica já erraram ao acordar a locação para uma festa, esteja o sexo previamente combinado ou não.

Outra regra que impediria a organização de uma orgia diz respeito aos danos da propriedade e perturbação da ordem. Em outras palavras, o sexo grupal teria que ser realizado de forma silenciosa e, digamos, ordeira. Se algum vizinho se sentisse incomodado com o barulho ou se algo fosse quebrado no processo, Felipe estaria com problemas.

A anfitriã também está certa ao dizer que o hospede deveria ter informado as intenções ao alugar o espaço. Se ele já tinha a intenção de realizar uma orgia, deveria ter informado para que Verônica avaliasse se sente confortável ou não com a proposta. Mas a maneira com a qual ela alega ter descoberto a festa também a coloca em maus lençois.

Verônica disse para alguns veículos de imprensa que soube da orgia após consultar câmeras de segurança e no áudio que circula pelas redes afirma que o hospede transou em todos os cômodos da casa. De acordo com os termos de serviço, as filmagens de segurança são permitidas desde que não haja câmeras em quartos, banheiros e outros locais considerados privados.

O hospede também precisa ser informado sobre o período que ele será monitorado e é obrigatório que exista um aviso sobre quais locais estão sendo filmados. Isso justifica a nota recebida pelo Dentro Do Meio.

“O Airbnb está apurando o possível caso mencionado pela reportagem, destaca que possui regras e Termos de Serviço e que anfitriões ou hóspedes que desrespeitem as políticas de uso estão sujeitos às medidas cabíveis”.

Embora pareça simples, o questionamento sobre sexo, orgias e especificamente o caso que viralizou exige uma análise mais cuidadosa da plataforma porque, pelo que foi divulgado até agora, tanto Verônica como Felipe quebraram as regras do Airbnb.

Então, pode transar no Airbnb? A resposta é depende. Não há proibição explícita e relações mais privadas parecem não causar nenhum problema, no entanto, no caso de festas que tenham sexo grupal como objetivo, o anfitrião precisa estar ciente e autorizar a prática.

Comentários

Renan Oliveira
Renan é um jornalista de humor ácido (é bem ruim pela manhã) que acredita que informação é uma das armas mais poderosas contra a LGBTfobia.
COMPARTILHAR