O país que não tem Presidente nem Ministro da Saúde, em plena Pandemia mundial.

13
views

Desde que a nave do Coronavírus aterrizou em território nacional, nunca mais tivemos um dia sequer de paz em nossas vidas. O medo, o terror, os cuidados e as neuras, são todos presentes cada vez que se sai de casa, cada vez que se espirra, cada vez que nós simplesmente fazemos nossas coisas diárias.

Não bastasse todo o problema causado pela pandemia, no Brasil temos mais outros para resolver: O negacionismo, a maldade, o ódio, o rancor e todos os sentimentos malignos que alguém pode experimentar. Esse é o quadro da suposta “administração” que nosso país enfrenta. A quitanda da esquina é muito melhor administrada, mais organizada e certamente tem planejamento mínimo do que fará no futuro.

Não fosse o poder judiciário, estaríamos nadando em corpos, tropeçando em pessoas mortas, como ocorreu no Equador. Abençoado foi o Constituinte quando estabeleceu nossos 3 poderes/pilares democráticos.

Vivemos um governo que nega tudo, nada é verdade. A doença é uma mentira, não existe, mas curiosamente, existe um pseudo “remédio” para tratá-la. Vocês também têm a impressão que o discurso da direita brasileira se contradiz na frase seguinte que eles mesmos dizem? É hilário.

Nada existe, o que está se fazendo por outros órgãos é errado, mas NUNCA, de maneira alguma apresentam o que deve ser feito. Qual caminho tomar então? Por onde andar? De que maneira proceder?

Se o isolamento social é errado, então qual é a alternativa correta? Pois quem argui que algo está errado, é porque já possui em sua concepção outra maneira que julga-se certa. Ora, qual seria essa maneira dourada e toda ilibada de proceder então?

De fato essa corja não está preocupada com nada. Nesse momento, beirando 40 mil mortes, vemos o líder do poder executivo rindo e fazendo piada disso tudo. Não se preocupem, se morrer 50 mil ele vai continuar rindo. Os sentimentos malignos que eu disse aqui no começo? Todos estão dentro dele.

Não tenho dúvidas que um dia saberemos toda a verdade, que aquele teto de vidro já se quebrou há muito tempo e abaixo dele, só existe sujeira, da pior espécie e muito pior daquelas praticadas por seu maior rival político.

Enquanto isso, temos que ser fortes. Perderemos nossos empregos, pessoas queridas, oportunidades, tempo de vida. Sim, nossa vida vai ter um período de pausa e nós precisamos falar sobre isso.

Vivemos, possivelmente, no país pior administrado em tempos de Covid. Todos iremos nos lembrar para sempre desta época, quando nossas vidas pararam. Quando tivemos que usar nossas reservas para poder comer, pagar as contas e manter minimamente a nossa dignidade.

Nossa população LGBT que já é deveras marginalizada, agora vai enfrentar mais um obstáculo: A falta geral de oportunidades em nossa sociedade.

Quantos LGBTs vocês conhecem que trabalham na noite? Em meios artísticos? Com produção e realização de eventos? Com apresentações em casas noturnas? Quando essas pessoas terão salários novamente para poder comer? Quando teremos um plano real de emergência que se importe com todos os setores de nossa sociedade?

O auxílio emergencial, devidamente legalizado e em pleno vigor só é pago após grande pressões legislativas e na imprensa. De mais de 40 bilhões destinados ao combate à pandemia, estamos utilizando pouco mais de 1 bilhão. Onde está o resto? Quando serão utilizados? Onde estão os planos de recuperação econômica para as pequenas empresas?

Tempos sombrios e de grande escassez se aproximam, infelizmente. Trabalharemos, se tivermos sorte, para quitar as contas mensais de maneira justa, sem luxos, sem exageros, ou enfrentaremos filas gigantescas em busca de um emprego que minimamente pague nosso aluguel. Enquanto isso, lá em Brasília, nossos representantes não se mexem, continuam deixando o povo pagar a conta sozinho de sua má e inexistente administração.

Ninguém solta a mão de ninguém nunca precisou tanto, ser dito e praticado!

Comentários

Willian Augusto
Willian é Advogado, acredita que para a informação jurídica chegar à toda sociedade (toda mesmo), ela deve ser fácil de entender e sem palavras difíceis e cafonas
COMPARTILHAR