“Não tem nada de extraordinário”, diz Camila Pitanga sobre namoro

38
views

Com o primeiro relacionamento com uma mulher exposto sem consentimento e muito explorado pela mídia, inclusive veículos LGBTI que teoricamente sabem o peso de ser arrancado de um armário, Camila Pitanga comentou o namoro com a artesã Beatriz Coelho para o jornal O Globo.

+ “Eu não queria ser um ‘viadinho'”, diz Gianecchini sobre sexualidade

“Na verdade nada disso é premeditado, né? Você não escolhe amar aquela pessoa, você ama. Ponto. Eu entendo dessa maneira. Até um ano atrás, eu sempre tive um, digamos, modo de existência heterossexual. Mas eu não estava pensando ‘eu tenho que ser isso’”, esclareceu a atriz que pontuou “Não tem nada de extraordinário. Extraordinário é amar”.

Juntas desde 2018, Camila e a namorada viram a vida privada se tornar pública em novembro de 2019, quando uma coluna do Jornal Extra revelou que uma amiga próxima da atriz confirmou a relação e disse que ambas preferiam manter o namoro somente entre os mais próximos, embora Camila estivesse muito feliz.

No dia 11 do mesmo mês, sem muita alternativa, já que a amiga não conseguiu manter a boca fechada, a atriz confirmou, por meio de assessoria, que estava mesmo namorando um mulher.

“Quando não era pública, tinha uma razão de ser. Era a primeira vez, eu estava imberbe (em algo novo) em uma história. A real, sempre vivi meus relacionamentos de uma maneira discreta”, justificou Camila.

Ela ainda disse que, apesar de ter a privacidade invadida, não se sente uma vítima. ” Sou uma pessoa pública desde os 16 anos. Você vai adquirindo traquejo, seja por um desafio de um trabalho, seja por ficarem especulando a sua vida íntima”.

Que bom que Camila está feliz e que meus colegas de profissão aprendam que não há nada de positivo em explorar um relacionamento do mesmo sexo de ninguém, a menos que haja denúncias graves ou que os envolvidos se sintam a vontade e falar publicamente sobre o assunto.

Comentários

Renan Oliveira
Renan é um jornalista de humor ácido (é bem ruim pela manhã) que acredita que informação é uma das armas mais poderosas contra a LGBTfobia.
COMPARTILHAR