Alice Júnior não deve nada para comédias românticas adolescentes

41
views

Apesar de não ser exatamente uma novidade para algumas pessoas, já que é datado em 2019, o filme Alice Júnior chegou na Netflix na última quarta-feira (14) e provou ser uma comédia romântica bem envolvente.

+ Salon Line escala travesti negra para campanha de aniversário

É bem verdade que o enredo é bastante adolescente e o jornalista com mais de 30 anos que vos escreve não é exatamente o público alvo do filme, mas não pude deixar de pensar como as novas gerações são sortudas por receber esse filme como presente.

Para o caso de você não ter muita noção do que estou falando, vamos a um rápido resumo: Alice Júnior conta a história de uma adolescente extremamente popular que se vê obrigada a mudar de cidade por conta do novo emprego do pai.

A única coisa que diferencia essa premissa de filmes como As Apimentadas: Tudo ou Nada é o fato da protagonista ser uma pessoa trans. Mas o longa se afasta bastante do drama de aceitação dos pais como poderia ser esperado por ter um LGBT como personagem central.

Alice é amada pelo pai e já fez as pazes com sua identidade de gênero, mas os problemas começam quando ela é obrigada a frequentar uma escola católica e passa a enfrentar conflitos cotidianos de pessoas trans.

Professores que não respeitam nome social, colegas que fazem “piadas” com o gênero, constrangimento no banheiro e por aí vai.

A trama também chama atenção por, além de uma protagonista trans, fugir do clichê mocinho branco de olhos claros. Aqui, o “príncipe” de Alice é um adolescente negro.

Mesmo com todas as qualidades, a gente não pode esquecer do que disse antes: é uma trama adolescente e como tal, se apoia em alguns pontos que parecem ultrapassados. O uso excessivo de “memes da Gretchen” – que foram gravados especialmente para o filme.

Outro ponto “negativo” são gírias como “segurar a marimba” que, mesmo em 2019, data de lançamento do filme, já eram bem ultrapassadas e fica parecendo uma tentativa de um não LGBT de se enturmar.

Contudo, o saldo é bem positivo. O filme entrega o que propõe. É uma comédia romântica leve que aborda temas extremamente importantes que nem todo mundo fora da nossa bolha tem acesso.

Comentários

Renan Oliveira
Renan é um jornalista de humor ácido (é bem ruim pela manhã) que acredita que informação é uma das armas mais poderosas contra a LGBTfobia.
COMPARTILHAR