Protagonista de Alice Júnior é vítima de transfobia na Renner

217
views

A atriz Anne Mota, que protagonizou o filme Alice Júnior, usou as redes sociais para denunciar um caso de transfobia em uma Loja Renner. Enquanto procurava por um vestido, uma funcionária chamou Anne no gênero masculino em mais de uma oportunidade, mesmo depois de ser corrigida.

O caso foi relatado pela atriz no último domingo (23). Numa longa sequência de postagens, Anne revelou que em uma das vezes em que foi tratada no masculino, a funcionária falou tão alto que várias pessoas que estavam em fila para serem atendidas olharam para ela.

Ao ser corrigida pela segunda vez, a funcionária disse para Anne que ainda estava aprendendo a lidar com “todos os tipos de pessoa”, mas em seguida voltou a tratá-la no masculino, o que fez a atriz exigir falar com a gerência da unidade. No entanto, de acordo com Mota, não houve acolhimento e o pedido de desculpas da representante da loja veio em tom de deboche.

Renner se desculpa por telefone

Após a repercussão, Anne recebeu uma ligação do líder regional da Renner. Além de enfatizar o pedido de desculpas, ele falou com a atriz sobre uma ação internet e educativa da loja batizada de “plural”. De acordo com relatos de Anne, esse programa serve para falar sobre pessoas LGBT e pessoas com deficiência.

“Eu falei que claramente esse programa não estava funcionando, pelo menos não funcionou com a atendente e a gerente que me atenderam, e disse que algo a nível nacional deveria ser feito. Afinal, se houvesse a contratação de pessoas trans nas lojas, essa situação claramente não aconteceria”, disse em vídeo postado no Instagram.

Vale lembrar que essa não é a primeira vez que a Renner se envolve em casos de LGBTfobia. Apesar de ter incluído um casal de lésbicas num comercial de 2017, no ano passado um segurança não agiu para impedir um caso de agressão contra um casal gay em uma das lojas.

Comentários

Renan é um jornalista de humor ácido (é bem ruim pela manhã) que acredita que informação é uma das armas mais poderosas contra a LGBTfobia.
COMPARTILHAR