Perfil expõe gays que furaram quarentena

9854
views

Parece que o antigo ditado “se não for pelo amor que seja pela dor” foi colocado em prática na quarentena. Um perfil no Instagram foi criado para expor gays que estão furando a quarentena para fazer festinha.

+ Dono de Boate em SP ataca a quarentena

Batizado de @ficaemcasabitch, o profile foi criado no último domingo (30) e está divulgando as @ de algumas pessoas que participaram de um pool party quando o bom senso e a organização mundial da saúde sugere isolamento social.

As pessoas expostas estão desativando as redes ou trancando os perfis para limitar o acesso e comentários. Nenhum deles veio a público se desculpar pela festa irresponsável.

Exposição pode ser considerada um crime?

O primeiro a vazar um print do grupo de WhatsApp da festa foi Eliseu Neto, que atualmente atua como assessor legislativo da Liderança Cidadania no Senado Federal.

Com a postagem, consultei nosso colunista de direito, o advogado Willian Augusto, para entender se existia alguma implicação jurídica em compartilhar as fotos das pessoas que participaram da festa durante a pandemia.

“Tem sim. Pode se enquadrar em crime de difamação, mas nesse caso a pessoa precisaria fazer a representação pessoalmente numa delegacia”, explicou Willian.

“Agora imagine a cena: ‘Senhor delegado, quero abrir um B.O. porque compartilharam uma foto minha numa festa durante a pandemia em que fazer aglomeração é crime’. Muito provavelmente a pessoa também teria que responder por um crime notificado ao Ministério Público pelo próprio delegado”, pontuou.

Nos comentários do perfil criado, muitas pessoas também justificam a exposição como “interesse público”. Isso significa dizer que o compartilhamento das fotos funcionam como uma espécie de denúncia.

Atualização: No final da tarde desta segunda-feira (1), o perfil não estava mais disponível no Instagram.

Comentários

Renan Oliveira
Renan é um jornalista de humor ácido (é bem ruim pela manhã) que acredita que informação é uma das armas mais poderosas contra a LGBTfobia.
COMPARTILHAR