Homofóbico leva garrafada em discussão

1270
views

Circula pelas redes sociais a foto de um homem com o peito sangrando depois de tomar uma garrafada por ter ofendido e ameaçado um grupo de gays.

+ Grindr é usado em suposto roubo em Piracicaba

Enquanto alguns acreditaram que a foto era uma montagem, outros chegaram a questionar se o homem realmente teria sido homofóbico ou teria de fato levado uma garrafada.

Conversei com o dançarino Thadeu dos Santos, conhecido como Ziinhu Mizzarini e responsável pela garrafada, que esclareceu todos os detalhes da confusão da última sexta-feira (13), em Madureira no Rio de Janeiro.

De acordo com Ziinhu, Vinícius Melino, o homofóbico, já estava no local quando ele e algumas amigos chegaram para comemorar um aniversário, mas não ficou por muito tempo.

“Passou 1 hora e ele voltou transtornado. Parou na nossa mesa, jogou a bebida dele e disse que, a partir daquele momento, a mesa era dele”, contou ao Dentro do Meio.

Ziinhu disse que ele e os amigos ignoraram, mas Vinícius continuou a provocá-los e com comentários revistas e homofóbicos.

“Depois de muitos insultos, a menina da barraca, que nos ajudou muito, pediu para que ele saísse da mesa, porém foi em vão. Ele nos ganhou pelo cansaço e chamamos um Uber para ir embora”, relembrou Ziinhu.

Foi então que Vinícius partiu para agressão física. Com a camiseta, ele começou a dar uma espécie de “chicotadas” nos amigos do dançarino que reagiram.

“Ele disse que ia ‘amassar’ meu amigo e começou a correr atrás dele. Tentamos parar ele, mas ele era forte e começou a dar socos e chutes na gente. Fiquei nervoso, quebrei uma garrafa e acabei tirando o peito dele”.

A confusão atraiu a polícia que, a princípio, foi convencida pelo Vinícius de que Zinhu e os amigos teriam começado tudo.

“As pessoas que estavam lá começaram a contar que o cara era o verdadeiro problema e que não era a primeira vez que ele arrumava confusão por ali”.

Mesmo com os policiais presentes, Vinícius continuou a tentar a agredir as pessoas, até que foi levado para viatura.

Ziinhu disse que queria dar ir para delegacia registar um boletim de ocorrência, mas que os policiais esclareceram que ele só iria se desgastar já que Vinícius sequer estava com os documentos.

“O ser foi para a viatura gritando que iria voltar, que iria me matar e que se tivesse ‘viado’ junto comigo, também iria morrer”, revelou.

Outras casos

Com a repercussão da foto e do vídeo postados, Ziinhu revela que ficou sabendo de outros casos envolvendo Vinícius.

“O patrão da namorada dele entrou em contato comigo, falou que ele é um maluco e que queria mais informações dele, pois ele já tinha agredido a namorada no ambiente de trabalho”, contou.

Em uma postagem do Facebook, outras pessoas identificaram Vinícius e o acusaram de ter roubado uma casa há um tempo.

Comentários