Bolsonaro declara guerra a ideologia de gênero

469
views
Na posse Bolsonaro fala sobre combater ideologia de gênero
Wilton Junior/Estadão COnteúdo

Com o início de 2019, Jair Bolsonaro tomou posse e tornou-se, oficialmente, Presidente do Brasil nesta terça-feira (1). E declarar guerra a ideologia de gênero foi uma das primeiras ações dele.

+ Milhares vão às ruas contra Bolsonaro

Durante o discurso de posse, que durou cerca de 10 minutos, Bolsonaro disse que pretende “valorizar a família” e “combater a ideologia de gênero”  nos próximos anos de mandato.

“Homem nasce homem e mulher nasce mulher”

Embora tenha sido rápida e a única menção a gênero que Bolsonaro tenha feito no discurso, ela enfatiza a intenção do novo presidente.

Em 17 de dezembro de 2018, durante a entrega de um Colégio da Polícia Militar no Rio de Janeiro, ele já tinha falado sobre o assunto.

“Com o tempo começou se a instituir outras coisas à sociedade, como, por exemplo, a mal fadada ideologia de gênero, dizendo que ninguém nasce homem ou mulher, que isso é uma construção da sociedade. Isso é uma negação a quem é cristão e acredita no ser humano. Ou se nasce homem, ou se nasce mulher”,  discursou.

Perigo para comunidade trans

Se seguir os passos de Trump, Bolsonaro deve tornar a vida de pessoas trans muito mais complicada. 

Em 2016, a então presidente Dilma Rousseff, assinou um decreto autorizando o uso do nome social nos órgãos do serviço público federal, o que incluí o ministério público, empresas estatais e universidades federais.

Os recentes discursos sobre ideologia de gênero do #EleNão demonstram que um novo decreto pode revogar a decisão da ex-presidente.

O que é Ideologia de Gênero?

O termo é muito utilizado por conservadores e fanáticos religiosos para perseguir a ideia de que a identidade de gênero não está ligada ao sexo biológico e é muito mais do que masculino e feminino.

Este grupo, representado por uma forte bancada evangélica e intolerante no congresso nacional, tem atacado sistematicamente a comunidade trans e lutado para diminuir as chances de um país mais igualitário e que respeite e diversidade.

 

 

Comentários