Bandeiras LGBT, caras pintadas e cartazes confirmam que Parada LGBT é também um ato político

Sem surpresas, a Parada LGBT de São Paulo levou 3 milhões de pessoas para a Av. Paulista no último domingo (18). A concentração começou às 10h e era possível notar a presença de muitas famílias heterossexuais com crianças e animais de estimação. Outro fator que chamou a atenção foi a quantidade de bandeiras com as cores LGBT.

+ Parada de Tel Aviv terá bissexuais como tema

E por falar em cores, o cruzamento da Paulista com a Av. Brigadeiro, logo antes do bloqueio onde estava o último trio antes da Parada começar, ganhou uma faixa de pedestres especial que levava as 6 cores da bandeira LGBT.

O salgadinho Doritos Rainbow estava sendo distribuído gratuitamente nos 19 carros. Triste foi ver, ao final do evento, pessoas tentando vender o salgadinho nas entradas do metrô. Nossa reportagem viu quem vendesse 3 por R$10,00.

O primeiro carro teve discursos de militantes e políticos que se iniciaram pouco depois do meio-dia e foi até às 13:30. Os demais carros, entretanto, já tocavam músicas desde às 11:30. Com os discursos no primeiro carro, estacionado até que o último discurso acabasse, a Parada começou com um pequeno atraso. Ainda assim, o último carro já tinha passado do cruzamento da Paulista com a Haddock Lobo antes das 17h.

+ Parada LGBT de Londres terá PlayStation como patrocinador

Cartazes com palavras de ordem eram vistos na avenida e também em alguns dos carros. Boa parte dos participantes também pintou o rosto com as cores da bandeira LGBT, coisa que não era vista com tanta frequência nos anos anteriores. Daniela Mercury, atração principal do carro da Skol, puxou um “Diretas Já” durante a apresentação. Cartazes de “Fora Temer” também podiam ser vistos.

Anitta, Pabllo Vittar e Lorena Simpson levaram uma pequena multidão ao redor do trio da Uber. Anitta inclusive causou uma certa confusão ao afirmar nas redes sociais que não faria show nenhum durante a Parada. No entanto, o que a cantora quis dizer é que a apresentação, que teve aproximadamente 25 minutos de duração, não teria a produção que ela costuma exibir, visto que a equipe dela estava no Rio preparando um outro show. Ainda assim, Anitta apresentou 5 músicas que foram o suficiente para agradar quem acompanhou.

Pabllo, que se apresentou pouco antes de Anitta, também cantou poucas canções. Ela também tinha um outro compromisso em um festival LGBT no Espirito Santo. O live de “Sua Cara” com Anitta e Pabllo não aconteceu, deixando muitos fãs frustrados.

Nossa equipe não seguiu até o show de encerramento no Anhangabaú, mas comprovou que a Parada LGBT abraçou o conceito de festa da celebração, mas sem deixar de lado o viés político, com discursos da militância e um público que, além de dançar e beijar na boca, também exibiu com orgulho as cores LGBT, fosse em bandeiras, nas roupas, no rosto ou no corpo. Confira a galeria de fotos do evento:

Parada LGBT 2017 (1)

Picture 1 of 52

Sobre o Autor

Renan Oliveira
Renan Oliveira
Renan um é jornalista de humor ácido (é bem ruim pela manhã) que acredita que informação é uma das armas mais poderosas contra a LGBTfobia.

Comentários