Festa KEVIN celebra diversidade de corpos e liberdade sexual

Trinta minutos. Este foi o tempo que levou para que a primeira pessoa aparecesse vestindo apenas uma cueca e um par de tênis na edição da KEVIN do último sábado (27).

+ Andy Star comenta carreira internacional, revela atores com quem quer gravar e porque parou de fazer programas

A festa, que teve a primeira edição cerca de 1 ano atrás, foi criada por Rafael Maia. “Eu morei em Londres em 2013. E tanto lá quanto em Berlim, que é uma cidade que eu amo, existem muitos projetos que dialogam com sexo e liberdade de maneira bem aberta”, conta.

Ele, que foi o DJ responsável por boa parte das músicas da noite, permaneceu vestido durante toda a festa, acenava e cumprimentava os clientes mais assíduos durante as horas que ficou na pick up. Quando parou, para ceder lugar ao DJ residente Rodrigo Turra, que usava apenas uma cueca branca e uma pochete nos ombros, Rafael foi fumar um cigarro e verificar se tudo corria bem.

“A música é muito importante pra gente. Investimos e pesquisamos queer music e chamamos sempre DJs que conversem com a proposta da festa”, argumenta.

+ Prêmio Sexy Hot 2017 contará com Pabllo Vittar

A clientela era formada por uma diversidade enorme de homens de diferentes idades, etnias e tamanhos. E embora o tema fosse couro e látex, as primeiras horas da KEVIN revelou que a maioria do público é amante de jockstrap. Demorou um pouco para que as primeira pessoas usando peças de couro começassem a aparecer.

“Ser livre na própria pele e se sentir à vontade pra muita gente pode significar ficar pelado, tirar a roupa. Mas pra outras pessoas, como para as drags por exemplo, liberdade pode significar o oposto de tirar, sabe?!”, comenta Rafael.

A pista não ficou completamente vazia em nenhum momento, assim como o dark room. Os presentes transitavam entre um espaço e outro trocando sorrisos​, por vezes num flerte descarado e outras por pura simpatia. O carão, comum no mundo gay, parecia ter sido deixado na chapelaria junto com as roupas.

“Eu enxergo a KEVIN como uma experiência em que o sexo existe, ou pode existir, mas não se limita a isso. Pra mim, a KEVIN dialoga com liberdade nesse contexto, o da expressão pessoal”, finaliza Rafael ao destacar que esta é a principal diferença entre a festa e uma sauna.

Nascida em São Paulo, a KEVIN acontece também no no Rio de Janeiro e em Porto Alegre. A próxima edição no Rio, aliás, já tem data e até evento no Facebook.

Sobre o Autor

Renan Oliveira
Renan Oliveira
Renan um é jornalista de humor ácido (é bem ruim pela manhã) que acredita que informação é uma das armas mais poderosas contra a LGBTfobia.

Comentários