Chechênia transferiu prisioneiros homossexuais e destruiu campo de concentração

A Chechênia está disposta a fingir que não há uma caçada a LGBT+ acontecendo no país. De acordo com o Novaya Gazeta, jornal que expôs as prisões e torturas do país, investigadores russos encontraram o lugar que foi apontado por vítimas como o local do Campo de Concentração completamente destruído.

+ Chechênia quer processar jornal que revelou campo de concentração gay

O jornal também disse que a maior parte da polícia local está se recusando a colaborar com a equipe de investigação enviada pelo presidente russo Vladimir Putin. Embora alguns, secretamente, tenham dado algumas informações que ajudariam a provar a existência do Campo de Concentração.

O número de LGBT+ mortos também foi corrigido. A publicação agora afirma que foram 26 assassinatos e que as famílias das pessoas presas e torturadas foram coagidas a assinar um documento que os proíbe de confirmar as histórias contadas por ativistas, ex-prisioneiros e veículos de comunicação.

Sobre o Autor

Renan Oliveira
Renan Oliveira
Renan um é jornalista de humor ácido (é bem ruim pela manhã) que acredita que informação é uma das armas mais poderosas contra a LGBTfobia.

Comentários