Quase 6 a cada 10 gays brasileiros já sofreram discriminação em aplicativos de encontro

Mesmo que um LGBT+ nunca tenha sentido na pele o que é sofrer preconceito, ele provavelmente conhece alguém que sentiu. A primeira pesquisa realizada pelo nosso site descobriu que 58,4% dos gays brasileiros já sofreu algum tipo de discriminação em apps de encontro.

Siga-nos no Twitter: @_dentrodomeio

Gordofobia aparece no topo da lista de discriminações mais sofridas em aplicativos, seguida por discriminação contra afeminados, peludos e negros. Um estudo publicado na revista científica Psychology of Sexual Orientation and Gender Diversity em fevereiro do ano passado já tinha mostrado que a comunidade gay é gordofóbica.

O curioso é perceber que fazer parte de uma minoria marginalizada não gera empatia suficiente para impedir discriminação aconteça mesmo onde a aceitação deveria ser regra.

Foram ouvidos 2.620 gays de todo Brasil e com diferentes idades entre 24 de abril e 5 de maio. Abaixo você confere um gráfico com as discriminações mais sofridas:

Nota¹: Originalmente a pesquisa incluía somente as opções: Gordofobia, Contra afeminados, Contra peludos, Racismo, Xenofobia, Contra relacionamento aberto e Outros. A opção “Por ser magro/não ter corpo musculoso foi incluída no gráfico por aparecer muitas vezes na opção outros.

Nota²: A opção Outros é soma das respostas: Por idade, Pelo tamanho do pênis, Por ser exclusivamente passivo, Altura, Por ser HIV+, Por ser assumido/homofobia.

Sobre o Autor

Renan Oliveira
Renan Oliveira
Renan um é jornalista de humor ácido (é bem ruim pela manhã) que acredita que informação é uma das armas mais poderosas contra a LGBTfobia.

Comentários